terça-feira, 4 de abril de 2017

PÁSCOA: UMA OPORTUNIDADE DE TRANSFORMAÇÃO


Aproxima-se o fim deste período da quaresma. Em tão pouco tempo, vislumbraremos a Páscoa de Jesus Cristo! Para isso é necessário e urgente que reconheçamos o verdadeiro significado do Tempo, determinação e compreensão dos símbolos. Estes fatores são igualmente importantes para vivermos a plenitude da Pascoa. Nós que somos batizados devemos viver com intensidade nosso compromisso com a Igreja segundo o Evangelho de Cristo.

Assumindo com fraternal empenho nossa relação com a comunidade na qual estamos inseridos. Assumindo a parte que nos cabe para a construção de uma história sólida e uma sociedade justa. Que tem como base o amor, a fé e os valores morais e cristãos. Todos nós somos chamados a vivermos a páscoa que é uma passagem para uma vida nova com Cristo. Somos convidados e orientados pela Igreja para esta mudança de vida, somos todos conduzidos a nos abrirmos totalmente, sem medida e a todo tempo a este projeto divino estabelecido por Deus. Somos o novo povo de Deus que caminha não mais no deserto.  Aproveitemos bem este tempo para que possamos cumprir bem este projeto: “ser criatura nova, ser criatura pascal”.

Em toda a Sagrada Escritura nos deparamos com os testemunhos deste ser pascal. Como exemplo, citamos José do Egito, que vendido como escravo foi o provedor de alimento e garantiu a sobrevivência da sua família e de todo o seu povo. Outro exemplo que podemos citar no segundo testamento é o daquele que doou os cinco pães e dois peixes (cf. Mt 14,17), tão pouco e aparentemente insignificante dom, colaborou para que o Mestre saciasse aquela multidão. Entendemos com isso que páscoa é vida em abundancia.

E nós o que temos para contribuir neste processo de morte e ressurreição?  Nossa ação concreta será nossa parcela de contribuição que depositaremos no altar do sábado santo, na noite de vigília pascal. Só assim, poderemos continuar vigiando, e poderemos aguardar confiantes, o amanhecer do domingo da ressurreição. A Igreja nos convida a seguir aquelas santas mulheres que vão perfumar os restos mortais do Crucificado, para que também sejamos testemunhas da pedra removida do sepulcro e possamos ouvir: “Por que procurais entre os mortos Aquele que vive?” Ele não está aqui! “RESSUSCITOU” (Lc. 24,1-8). É nosso dever e nossa alegria espalhar esta novidade. A páscoa não pode ser um evento isolado na minha vida, deve ser vivida na comunidade. Que ela nos arranque do isolamento, do nosso comodismo, do nosso conforto.

A páscoa transformou a noite em dia, a dor em alegria, a espera em realização, a morte em vida eterna. Esta é a verdade central da nossa fé. Fomos batizados e somos cristãos porque Jesus Cristo ressuscitou. Este é o caminho de passagem para uma vida renovada pelo Cristo. Se todo este período quaresmal não foi suficiente, ainda nos é concedido um pouco de tempo para alcançarmos a verdadeira páscoa.

Meus queridos irmãos e irmãs, ardorosamente busquemos a Páscoa de Cristo. Mas antes, façamos acontecer os frutos penitenciais deste tempo santo que antecede a ressurreição. Para que sejamos também agraciados com as delicias da terra prometida, dos manjares celestes, das núpcias do cordeiro, na imensa satisfação dos filhos de Deus. Que este tempo que a liturgia nos oferece, seja um exílio necessário que nos levará a páscoa eterna. Por isso tudo tem seu tempo conforme diz o livro do Eclesiastes (Ecl 3). Saberemos que ele foi favorável pelos frutos que iremos colher no percurso das nossas vidas.

Pois só o cristão consciente se beneficia dele para poder participar da intimidade de Cristo. Pois ele deseja sentar à sua mesa e ouvir da boca do Ressuscitado: “Vinde benditos do meu Pai”

Bendita seja nossa Santa Mãe Igreja que nos reservou parte do tempo para que nos dediquemos com mais determinação e bravura na luta contra nossos próprios vícios, contra as nossas próprias fraquezas e distrações. Ela como Mãe que ama e cuida se oferece como mediadora em atar o que está desatado, unir o que está desligado, resgatar o que está perdido. A Igreja é quem nos oferta aquilo pelo qual posso no agora experimentar o que para nós está garantido plenamente no céu.

Meus queridos irmãos e irmãs desejo a todos um santo tempo pascal para que seja um momento de renovação da alegria de pertencermos ao novo povo de Deus na alegria do Ressuscitado. Aquele que nos chamou à vida é fiel. Deu-nos o tempo e as condições para vencermos as dores e a morte para chegarmos à vida eterna.

Por João Petrônio dos Santos.
Universidade Salesiana (Unisal) -Campus Pio XI- (São Paulo-SP)
Leia mais sobre a Espiritualidade da Páscoa acessando o nosso site:



Jornal Online “A Voz de Lourdes” – Abril de 2017

Compilação e Edição: Sérgio Bonadiman - Revisão e Publicação: Dermeval Neves
Responsabilidade: PASCOM Paróquia Nossa Senhora de Lourdes - Vila Hamburguesa – SP
Site da Paróquiahttp://www.pnslourdes.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário