segunda-feira, 2 de junho de 2014

ACONTECEU NA CNBB

1) Após contribuições e reflexões, bispos entregam um novo

‘Comunidade de comunidades uma nova paróquia: A conversão pastoral da paróquia’

Presidente da Comissão Episcopal para o Tema Central da 52ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, o arcebispo de Manaus (AM), dom Sérgio Eduardo Castriani, destacou as linhas gerais sobre o documento “Comunidade de comunidades: uma nova paróquia”.

A discussão sobre o texto teve início na 51ª Assembleia da CNBB, em 2013. O texto foi enviado aos regionais e dioceses para que refletissem e enviassem suas contribuições, colaborando, assim, para uma nova versão. Durante a explanação, a comissão falou sobre a recepção do Estudo 104 da CNBB, o processo da redação, a metodologia e delimitação, e, por fim, a estrutura e o conteúdo do novo texto.

Dom Castriani destacou que o titulo do documento, “Comunidade de comunidades uma nova paróquia”, teve o acréscimo de um subtítulo, “A conversão pastoral, da paróquia”, que, segundo ele, “dá o sentido do documento, nós queremos que as paróquias se convertam pastoralmente. Esperamos que o documento final faça com que esse movimento todo continue. O documento traz à situação atual, a história das paróquias, a reflexão bíblica e pistas de ação para a renovação da paróquia”.

O processo para a elaboração deste documento percorreu um longo caminho, logo após a assembleia de 2013, os bispos aprovaram o documento de Estudo 104. Daí em diante, este documento passou a ser estudado pelas comunidades, paróquias, dioceses, regionais da CNBB e congregações religiosas, toda a contribuição que chegava dos diversos lugares foi trabalhada pela Comissão do Tema Central e apresentada aos bispos. “Creio que raramente um documento da CNBB tenha sido tão trabalhado como foi o 104”, destacou.

De acordo com o bispo, o objetivo final é que as paróquias evangelizem, anunciem o Reino de Deus, sejam missionárias, acolhedoras e que nelas os fiéis façam a experiência da vida cristã. “A ideia básica é que na comunidade se vive a vida cristã, a vocação cristã é pessoal, parte de um encontro pessoal com Cristo que sempre tem que ser renovado, agora esse encontro nos coloca automaticamente em uma comunidade. A comunidade é o lugar da vivência cristã, a Igreja brota de uma comunidade, a Santíssima Trindade.”

Dom Castriani destacou que o Documento apresenta a importância da Palavra de Deus na comunidade, “a Palavra deve ser o centro da vida da paróquia”. A acolhida, também foi apresentada como um dos desafios para as paróquias, “a comunidade é acolhedora, nós propomos o serviço de acolhida, acolhida às pessoas que chegam às paróquias, a secretária paroquial tem que ser lugar de acolhida, mas os presbíteros tem que ser homens de misericórdia, de acolhimento homens de reconciliação”.

É preciso ainda pensar em como tornar a comunidade participativa e ativa, fazendo funcionar os conselhos de pastoral, de administração e o missionário, que devem estar atento às realidades que envolvem a paróquia, além de estabelecer estratégia para responder aos desafios que a paróquia encontra.


2) CNBB divulga folder com orientações sobre a Copa do Mundo

O arcebispo de Maringá (PR) e bispo responsável pela Pastoral do Turismo, dom Anuar Battisti, apresentou à imprensa o folder “Copa do Mundo Dignidade e Paz”, preparada pela Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

O folder surgiu após encontros entre representantes das 12 cidades-sede do mundial e busca mostrar formas de acolher o turista e orientar as comunidades locais sobre os riscos de um evento como a Copa do Mundo. “Aborda desde a exploração escrava do trabalho, exploração sexual, o tráfico de pessoas, tráfico de entorpecentes, enfim, aponta os lados positivo e negativo da Copa”, enumerou dom Anuar.

Na publicação, a Igreja expressa preocupação com a exclusão de milhões de cidadãos ao direito à informação e à participação nos processos decisórios sobre as obras que foram realizadas para o evento e com o desrespeito à legislação e ao direito ambiental, trabalhista e do consumidor, por exemplo.

O folder ainda traz exigências de que aconteçam ações eficazes para evitar o trabalho escravo, o tráfico humano e a exploração sexual, com “punição exemplar e ágil para com os infratores”.

Algumas ações sugeridas no folder também foram lembradas por dom Anuar Battisti, como a identificação das principais igrejas e santuários das cidades, a celebração de missas em vários idiomas, buscando, segundo o bispo, mostrar ao turista a presença da Igreja Católica no Brasil.

Considerado como documento motivador, o folder tem em seu texto trechos da mensagem da CNBB, “Jogando pela Vida”, sobre a Copa do Mundo, publicada em 13 de março deste ano. Dom Anuar, destacou a parte que fala do êxito que poderá ser alcançado com o evento.

“O sucesso da Copa do Mundo não se medirá pelos valores que injetará na economia local ou pelos lucros que proporcionará aos seus patrocinadores. Seu êxito estará na garantia de segurança para todos sem o uso da violência, no respeito ao direito às pacíficas manifestações de rua, na criação de mecanismos que impeçam o trabalho escravo, o tráfico humano e a exploração sexual, sobretudo, de pessoas socialmente vulneráveis e combatam eficazmente o racismo e a violência”, recordou.

Jornal Online “A Voz de Lourdes” – Junho 2014
Compilação e Edição: Sérgio Bonadiman - Revisão e Publicação: Dermeval Neves
Responsabilidade: PASCOM Paróquia Nossa Senhora de Lourdes - Vila Hamburguesa - SP
Site da Paróquia: http://www.pnslourdes.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário