segunda-feira, 2 de junho de 2014

ACONTECEU NA IGREJA

Papa Francisco

1) “O Espírito Santo faz a Igreja avançar para além dos limites, sempre mais além”
“Quem somos nós para fechar as portas” ao Espírito Santo?. O Espírito Santo – sublinhou o Papa – faz a Igreja avançar “para além dos limites, sempre mais além”. O Espírito sopra onde quer, mas uma das tentações mais frequentes de quem tem fé é bloquear-lhe o caminho e pilotá-lo numa direção ou noutra. Uma tentação que surgiu já nos alvores da Igreja, como mostra a experiência vivida por Pedro na passagem dos Atos proposta hoje pela liturgia.
Uma comunidade de pagãos acolhe o anúncio do Evangelho e Pedro é testemunha ocular da descida do Espírito Santo sobre eles. Antes, hesitara em ter contacto com o que sempre tinha considerado “impuro”. Depois, sofreu duras críticas da parte dos cristãos de Jerusalém, escandalizados pelo facto de ele ter comido com gente “não circuncidada”. Um momento de crise interna. Pedro compreende o erro quando uma visão o ilumina sobre uma verdade fundamental: o que foi purificado por Deus ninguém o pode classificar de “profano”. E ao narrar estes factos à multidão que o critica, o Apóstolo – recorda o Papa Francisco – tranquiliza todos com esta afirmação: “Se portanto Deus lhes deu o mesmo dom que a nós, por terem acreditado no Senhor Jesus Cristo, quem sou eu para por impedimento a Deus?”
"Quando o Senhor nos faz ver o caminho, quem somos nós para dizer: 'Não, senhor, não é prudente! Não, façamos assim’ ... E Pedro naquela primeira diocese - a primeira diocese foi Antioquia - toma esta decisão: ‘Quem sou eu para pôr impedimentos?’. Uma óptima palavra para os bispos, os sacerdotes e também para os cristãos. Mas quem somos nós para fechar portas? Na Igreja primitiva, e mesmo hoje, existe aquele ministério do Ostiário. E o que fazia o Ostiário? Abria a porta, recebia a gente, fazia-as passar. Mas nunca foi o ministério de quem fecha a porta, nunca".
Ainda hoje, repete o Papa Francisco, Deus deixou a liderança da Igreja "nas mãos do Espírito Santo". "O Espírito Santo - continua ele - é aquele que, como disse Jesus, nos vai ensinar tudo" e "nos ajudará a recordar o que Jesus nos ensinou":
"O Espírito Santo é a presença viva de Deus na Igreja. E’ ele que conduz a Igreja, que faz caminhar a Igreja. Sempre mais, para além dos limites, mais em frente. O Espírito Santo com os seus dons guia a Igreja. Não se pode compreender a Igreja de Jesus sem este Paráclito, que o Senhor nos envia para isso. E faz estas opções impensáveis, mas impensáveis! Para usar uma palavra de São João XXIII: é mesmo o Espírito Santo que atualiza a Igreja: na verdade, ele a atualiza e a faz caminhar para frente. E nós cristãos devemos pedir ao Senhor a graça da docilidade ao Espírito Santo. A docilidade a este Espírito, que nos fala no coração, nos fala nas circunstâncias da vida, nos fala na vida eclesial, nas comunidades cristãs, nos fala sempre".
Fonte: www.news.va

2) A PEREGRINAÇÃO DO PAPA À TERRA SANTA: ACORDOS E DIÁLOGOS
A peregrinação ecumênica do papa Francisco à Terra Santa teve início no dia 24 de maio com visita ao Santo Sepulcro e Muro das Lamentações onde Francisco rezou pela paz no mundo, meditando a oração do Pai-Nosso.

No domingo, 25, o papa chegou a Jerusalém para celebrar o 50º aniversário do encontro de Paulo VI e Antenágoras, marco histórico do diálogo ecumênico da Igreja. Na chegada, foi recebido pelo patriarca greco-ortodoxo Bartolomeu de Constantinopla e pelos chefes das igrejas em Jerusalém.
A agenda encerra hoje, 26, marcando o terceiro dia da peregrinação, com visita ao grão-mufti de Jerusalém, a dois grão-rabinos de Israel no centro Heichal Shlomo e ao presidente de Israel Shimon Peres.
No período da tarde, o papa se reunirá com o patriarca Bartolomeu I, no edifício diante da igreja ortodoxa no Horto das Oliveiras. O roteiro da visita à Terra Santa encerra com missa na Sala do Cenáculo, em seguida, o papa retornará a Roma.
Ao todo, o papa teve 14 intervenções, entre homilias e discursos, e a assinatura de uma declaração conjunta com o patriarca da Igreja Ortodoxa de Constantinopla.
A Jordânia foi a primeira etapa da peregrinação, que teve como tema  “Que todos sejam um”. Em Amã, o papa reuniu-se com o rei Abdullah e Rania. Após encontro, seguiu de helicóptero para Belém onde discursou para autoridades locais, comunidades palestinas da Cisjordânia e da Faixa de Gaza. Francisco expressou solidariedade aos povos que sofrem por consequência dos conflitos e convocou para a paz.
“Chegou a hora de se demonstrar coragem, generosidade e criatividade, em prol do bem comum; a coragem de se construir a paz, alicerçada no reconhecimento, por parte de todos, do direito da coexistência de dois Estados, que gozem da paz e da segurança, entre os confins internacionalmente reconhecidos”.
Na ocasião, o papa falou ao presidente do Estado da Palestina, Mahmoud Abba, a quem chamou de “homem da paz”, desejando que a aliança entre os cristãos seja permanente. 
Em encontro na Basílica do Santo Sepulcro, em Jerusalém, o papa Francisco e o patriarca Bartolomeu assinaram declaração comum, pedindo progresso na aproximação entre as igrejas católica e ortodoxa, quase dez séculos depois. Ajoelhados na entrada da basílica, onde, de acordo com a tradição cristã, Jesus foi crucificado e ressuscitou, os líderes selaram a unidade.
Francisco e Bartolomeu se comprometeram a respeitar "as legítimas diferenças, pelo bem de toda a humanidade” e em trabalhar para que "todas as partes, independentemente de suas convicções religiosas, favoreçam a reconciliação dos povos".
“Desejo renovar o desejo, expresso pelos meus predecessores, de manter diálogo com todos os irmãos em Cristo, para encontrar uma forma de exercer o ministério próprio do Bispo de Roma que, em conformidade com a sua missão, possa se abrir a uma nova situação e ser, no contexto atual, um serviço de amor e de comunhão reconhecido por todos”, disse Francisco na assinatura da Declaração.


Jornal Online “A Voz de Lourdes” – Junho 2014
Compilação e Edição: Sérgio Bonadiman - Revisão e Publicação: Dermeval Neves
Responsabilidade: PASCOM Paróquia Nossa Senhora de Lourdes - Vila Hamburguesa - SP
Site da Paróquia: http://www.pnslourdes.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário