quarta-feira, 1 de abril de 2015

NOTÍCIAS DA IGREJA

O PAPA ESTÁ RESPONDENDO ÀS NECESSIDADES DA IGREJA NO MUNDO

O primeiro papa latino-americano da história completa dois anos de pontificado. Jorge Mario Bergoglio foi eleito no dia 13 de março de 2013, assumindo a direção espiritual de mais de 1,2 bilhões de católicos. Por onde passa, arrasta multidões. Sob o nome de Francisco e focado na simplicidade, o novo papa não demorou a ganhar o título de uma das personalidades mais carismáticas do mundo.

Em um momento de crise econômica mundial, os gestos simples do papa e o cuidado com os pobres e idosos conquistaram os católicos. A partir de seu pontificado, é possível ver fiéis abrindo as portas para o acolhimento e o diálogo com grupos excluídos da sociedade. 

Neste ano, o pontífice enfrenta dois desafios: a reforma da Cúria, projeto lançado ainda em 2013; e a resposta aos desafios da família moderna e sua evolução, com o Sínodo dos Bispos, que será realizado em outubro, no Vaticano.

Sobre o Papa

O arcebispo de Aparecida (SP) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Raymundo Damasceno Assis, durante entrevista coletiva à imprensa nesta quinta-feira, 12, concedida ao final da reunião do Conselho Permanente da Conferência, convidou os jornalistas a rezarem um Pai-nosso pelo papa Francisco. Dom Damasceno desejou saúde e um ministério frutuoso ao papa. “Nós achamos que a escolha (no conclave) não foi só nossa, mas que os cardeais foram muito inspirados pelo Espírito Santo. Comemoramos dois anos da eleição do papa Francisco, pastor universal da Igreja e bispo de Roma. Rogamos à Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil e nossa mãe, que continue a abençoar e proteger nosso querido papa em sua missão de pastor à serviço de toda Igreja”, disse o cardeal.

Dom Damasceno recordou ainda o carisma de Francisco. "Vemos que o papa está respondendo às necessidades da Igreja no mundo atualmente, haja vista a simpatia com que é acolhido por onde passa, o carinho com que é recebido, sua maneira informal de se aproximar das pessoas e sua capacidade de comunicação”, afirmou o arcebispo.

Ao final ressaltou a maneira transparente com que Francisco trata sobre diversas questões, mesmo internas. “São marcas do governo do papa Francisco e corresponde às necessidades da sociedade de um modo geral, no momento em que vivemos”, concluiu.

Lições de Francisco
A fim de demonstrar seu desejo de mudança, o papa concedeu a um pequeno jornal de um bairro periférico de Buenos Aires, na Argentina, seu país de origem, uma entrevista exclusiva por ocasião dos seus dois anos de pontificado.
O papa fala aos fiéis acerca da perda da sensibilidade, buscando resgatar a ideia da importância de se comover e solidarizar com a dor do outro. “[…] no mundo de hoje falta o pranto! Choram os marginalizados, choram aqueles que são postos de lado, choram os desprezados, mas aqueles de nós que levamos uma vida sem grandes necessidades não sabemos chorar. Certas realidades da vida só se veem com os olhos limpos pelas lágrimas”, disse o papa durante visita à Ásia. Além disso, Francisco costuma falar de esperança, sentimento escasso na sociedade atual.
A mensagem de Francisco tem alcançado o mundo, mas principalmente o seu continente, a América, região onde vive grande parte dos católicos.
No dia 17 de dezembro do ano passado, dia de seu aniversário de 78 anos, Francisco propiciou, por meio de seu prestígio, o início das negociações diplomáticas entre Cuba e Estados Unidos, contribuindo, assim, para a abertura de uma nova fase para a história de toda a América.

Não existe outro caminho senão o de Jesus - Papa na homilia do Domingo de Ramos

O sol brilhava esta manhã sobre a Praça de São Pedro, repleta de fieis de várias partes da Itália e do mundo que assistiram à festiva celebração do Domingo de Ramos, que é também Dia Mundial da Juventude a nível das Dioceses. Daí a presença de um grande números de jovens na celebração, às quais, o Papa dirigiu uma saudação particular no final da Missa.
A cerimônia iniciou com a procissão e a bênção dos ramos, a celebração litúrgica, em que foi narrada o percurso da Semana Santa que nos conduz à Páscoa…
Na sua homilia, o Papa Francisco sublinhou que no centro de celebração festiva deste domingo está a palavra ouvida precedentemente no hino da Carta aos Filipenses: “A humilhação de si mesmo, a humilhação de Jesus”.
Uma humilhação que revela – disse o Papa – o estilo de Deus e que deve ser também o estilo do cristão: a humildade. Um estilo que nunca acaba de nos surpreender, pois nunca nos habituamos à ideia de um Deus humilde.
“Deus se humilha para caminhar com o seu povo, para suportar as suas infidelidades”. O Senhor ouve pacientemente os murmúrios, as lamentações contra Moisés, que no fundo eram contra Ele, contra o Pai que os tinha tirado da condição de escravatura e os conduzia através do deserto para a terra da liberdade.
“Nesta Semana Santa, que nos leva à Páscoa, iremos por este caminho da humilhação de Jesus. E só assim será “Santa” também para nós”.
O Papa frisou que indo por esse caminho viveremos todos os momentos que caracterizam o percurso de Jesus durante a Semana Santa até à sua morte na cruz.
“Este é o caminho de Deus”, o caminho da humildade. É o caminho de Jesus, não há outro. E não existe humildade sem humilhação.
Percorrendo todo esse caminho, Deus fez-se servo – sublinhou o Papa recordando que humildade significa também serviço, significa esvaziar-se de nós mesmos para deixarmos espaço a Deus na nossa pessoa. Este esvaziar-se como diz a Sagrada Escritura – recordou o Papa Bergoglio – é a maior humilhação.
Mas há um caminho contrário ao de Cristo – fez notar o Papa: o da mundanidade que nos leva pelas vias da vaidade, do orgulho, da procura do sucesso… O maligno propôs esta via também a Jesus, durante os quarenta dias no deserto. “Mas Jesus recusou-a sem hesitação. E com Ele, somente com a sua graça, a sua ajuda, também nós podemos vencer esta tentação da vaidade, da mundanidade, não só nas grandes ocasiões, mas nas circunstâncias ordinárias da vida.”
O Papa não deixou de evocar os exemplos de humildade, silêncio de tantos homens e mulheres que sem procurar dar nas vistas procuram servir os outros: parentes doentes, anciãos sós, inválidos, sem-abrigo…
Convidou também a elevar o pensamento a quantos pela sua fidelidade ao Evangelho são discriminados, pagando com própria vida, como os cristãos perseguidos, os mártires do nosso tempo. “São tantos! Não renegam Jesus e suportam com dignidade insultos e ultrajes. Seguem-No pelo seu caminho. Podemos falar de uma “nuvem de testemunhas.”
O Papa terminou a sua homilia, convidando todos a embocarem nesta Semana Santa, este caminho “com tanto amor por Ele, o nosso Senhor e Salvador. Será o amor a guiar-nos e a dar-nos força. E, onde Ele estiver, estaremos também nós. Amém.”
Durante a Missa rezou-se em várias línguas para diversas intenções de modo particular para os jovens. Eis a oração e língua da Indonésia
“A paixão de Jesus, vivida em obediência à vontade do Pai, torne os seus corações puros, indivisos e generosos”
E foi precisamente aos jovens que no final da celebração, depois de saudar a todos, o Papa dirigiu uma palavra especial:
“Caros jovens exorto-vos a continuar o vosso caminho seja nas dioceses, seja na peregrinação através dos continentes, que vos levará no próximo ano a Cracóvia, pátria de São João Paulo II, iniciador das Jornadas Mundiais da Juventude. O tema daquele grande encontro “Beatos os misericordiosos, pois que encontrarão misericórdia” entoa-se muito bem com o Sano Santo da Misericórdia. Deixai-vos encher pela ternura do Pai para depois a difundir à vossa volta!”.
Seguiu-se a oração mariana do Ângelus que o Papa convidou a dirigir a Nossa Senhor a fim de que nos ajude a ser fiéis a Cristo nesta Semana Santa, Ela que estava presente quando Jesus entrou triunfante em Jerusalém, mas que como Ele estava pronta ao sacrifício.
O Papa confiou a Nossa Senhora as vítimas do desastre aéreo da companhia alemã, recordando de modo particular o grupos de jovens estudantes que nele perdeu a vida.
E concluiu desejando a todos “uma Semana Santa em contemplação do Mistério de Jesus Cristo”.


Jornal Online “A Voz de Lourdes” – Abril 2015Compilação e Edição: Sérgio Bonadiman - Revisão e Publicação: Dermeval NevesResponsabilidade: PASCOM Paróquia Nossa Senhora de Lourdes - Vila Hamburguesa - SPSite da Paróquia: http://www.pnslourdes.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário