domingo, 7 de setembro de 2014

ACONTECIMENTOS E NOTÍCIAS - ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO

12º Curso de Aprofundamento Teológico e Pastoral do Clero da Arquidiocese de São Paulo


O Centro de Espiritualidade Inaciana - Vila KostkaItaici, em Indaiatuba (SP), acolheu entre os dias 4 e 7 de agosto o 12º Curso de Aprofundamento Teológico e Pastoral do Clero da Arquidiocese de São Paulo.

Os 234 inscritos, entre padres e diáconos, refletiram sobre o tema “Iniciação à vida cristã”. Participaram também o arcebispo de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer, e os bispos auxiliares da Arquidiocese.

Para assessorar o curso foi convidado o Padre Luiz Alves de Lima, salesiano, doutor em Teologia Pastoral Catequética, assessor de catequese na CNBB e CELAM, editor e redator da Revista de Catequese.

Padre Lima iniciou sua reflexão apresentando o documento 97 da CNBB, “Iniciação à vida cristã: um processo catecumenal”, abordando temas como a Catequese Renovada, suas motivações, conceitos antropológicos e filosóficos sobre a iniciação e a experiência mistagógica proposta pelo Ritual de Iniciação Cristã (Rica).

Além da fundamentação teórica, o curso conta com a apresentação de experiências pastorais relacionadas à Iniciação à vida cristã na liturgia em dimensões como a paroquial, com os que se preparam para o Matrimônio e junto ao povo de rua. Essas experiências foram apresentadas por padres da Arquidiocese.

“Muitos padres já estão desenvolvendo iniciativas nesse sentido. Estão sendo apresentadas experiências muito bonitas. Não é apenas uma teoria, mas uma realidade que já estamos vivendo”, afirma o Padre Lima, que destacou o grande número de participantes e o interesse deles pelo tema do curso.

Durante o Curso de Aprofundamento Teológico e Pastoral do Clero, o bispo auxiliar de São Paulo e referencial do Secretariado Arquidiocesano de Pastoral, Dom Milton Kenan Junior, falou sobre as próximas assembleias de Pastoral da Arquidiocese.

Dom Mildon destacou que a “realização de uma assembleia é ocasiãopropícia para: reunir o povo, especialmente suas lideranças; celebrar a caminhada que se está fazendo; renovar a esperança, olhando para o futuro, assumindo novos compromissos e, também, retomando aqueles que precisam ser continuados; dar unidade à Paróquia, gerando maior comunhão entre as lideranças, os grupos e as comunidades; favorecer o conhecimento pessoal (às vezes nem sabemos o nome das pessoas), o entrosamento e o sentido de pertença”..

A assembleia arquidiocesana está prevista para acontecer no início de 2015, que terá como urgência pastorai: “Igreja a serviço da vida plena para todos”.


Plebiscito à vista!
Por Frei Betto

A maioria da população brasileira (89%) é favorável à reforma política, constatou pesquisa da Fundação Perseu Abramo. Como atingir esse objetivo?

A CNBB convocou uma centena de entidades da sociedade civil para propor o Projeto de Lei de Iniciativa Popular pela Reforma Política.

O projeto inclui a proibição do financiamento de campanha eleitoral por empresas. Hoje, nós votamos e o poder econômico elege! O financiamento deveria ser com recursos públicos e contribuição de pessoa física no limite de R$ 700.

No sistema atual, qualquer candidato pode ser financiado por empresas. Uma vez eleito, passa a defender interesses corporativos, e não da população.

Exemplos de aprovações que favorecem o lucro de empresas são a liberação dos agrotóxicos, a isenção fiscal ao agronegócio, os contratos de empreiteiras em obras públicas e a política de juros altos.

Em política, empresário não faz doação. Faz investimento. Essa promiscuidade entre interesses políticos e negócios privados estimula a corrupção.

Por considerá-la contrário à Constituição, a OAB levou ao STF esta contradição: pessoas jurídicas, que não têm direito a voto, influem mais nas eleições que eleitores ao exercerem seu direito de cidadania. A 2 de abril o STF julgou a ação.

Transcrevo trecho do voto do ministro Marco Aurélio Mello: “Segundo dados oficiais do TSE, nas eleições de 2010, um deputado federal gastou, em média, R$ 1,1 milhão; um senador, R$ 4,5 milhões; e um governador, R$ 23,1 milhões. A campanha presidencial custou mais de R$ 336 milhões. Nas eleições municipais de 2012, segundo recente contabilização do Tribunal, teriam sido gastos incríveis 6 bilhões de reais. E os maiores financiadores são empresas que possuem contratos com órgãos públicos.

O setor líder é o da construção civil, tendo contribuído com R$ 638,5 milhões; seguido da indústria de transformação, com R$ 329,8 milhões; e do comércio, com R$ 311,7 milhões.”

O ministro Gilmar Mendes pediu vistas e suspendeu-se a votação. Porém, o resultado já está definido: seis dos onze ministros já votaram contra o financiamento de campanhas por pessoas jurídicas!

Vitória? Ainda não. Parlamentares querem mudar a Constituição e tornar legal a prática de empresas financiarem campanhas eleitorais.

Daí a importância de participarmos do Plebiscito por uma Constituinte Exclusiva e Soberana na Semana da Pátria.

Eleições 2014
Orientações para as comunidades católicas da Arquidiocese de São Paulo

A Arquidiocese de São Paulo publicou um documento com orientações para as comunidades católicas sobre as eleições de 2014.

Com apoio da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e da União dos Juristas Católicos de São Paulo (UJUCASP), a Arquidiocese pretende distribuir mais de um milhão de cópias deste documento entre as mais de 300 paróquias de sua jurisdição. Parte desta tiragem estará disponível nas igrejas já para o próximo final de semana.



Jornal Online “A Voz de Lourdes” – Setembro 2014
Compilação e Edição: Sérgio Bonadiman - Revisão e Publicação: Dermeval Neves
Responsabilidade: PASCOM Paróquia Nossa Senhora de Lourdes - Vila Hamburguesa - SP
Site da Paróquia: http://www.pnslourdes.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário