sábado, 4 de junho de 2016

NOTÍCIAS DA IGREJA: PAPA FRANCISCO

a) Papa Francisco adverte: Ignorar o pobre e o próximo é desprezar Deus!
Segundo ACIDIGITAL (18/05/16), os pobres foram o foco da Catequese do Papa Francisco na Audiência Geral desta semana, na qual refletiu sobre a parábola do homem rico e do pobre Lázaro.

“Ignorar o pobre é desprezar Deus! E isso devemos aprender bem: ignorar o pobre é desprezar Deus”, disse o Papa.
O rico “leva roupas de luxo, enquanto Lázaro está coberto de chagas; os ricos todos os dias fazem um banquete alegremente, enquanto Lázaro morre de fome. Somente os cães se ocupam dele e vêm lamber suas chagas”.
O Papa expressou que “Lázaro representa bem o grito silencioso dos pobres de todos os tempos e a contradição de um mundo em que imensas riquezas e recursos estão nas mãos de poucos”.
“Jesus disse que um dia esse homem rico morreu, os pobres e os ricos morrem, têm o mesmo destino, todos nós, sem exceção, e então se dirigiu a Abraão suplicando com o apelativo “pai”. Reivindica assim ser seu filho, pertencer ao povo de Deus”.
Mas, “na vida não mostrou nenhuma consideração a Deus, e mais, fez de si mesmo o centro de tudo, fechado em seu mundo de luxo e extravagância. Excluindo Lázaro, não teve em conta o Senhor ou sua lei “, assinalou.
Francisco observou que na parábola o rico não tem nome, “enquanto o pobre se diz cinco vezes que se chama Lázaro, que significa ‘Deus ajuda’”. “Lázaro, que está em frente à porta, é um apelo vivo ao rico para se recordar de Deus, mas o rico não acolhe tal apelo. Será, portanto, condenado não por suas riquezas, mas sim por ter sido incapaz de sentir compaixão por Lázaro e socorrê-lo”.
A última parte da parábola conta o que ocorreu depois que morreram. “O pobre Lázaro é levado pelos anjos para o céu a Abraão, o rico, pelo contrário, é precipitado às tormentas”.
O rico olhou para cima e viu Lázaro junto a Abraão e os anjos e pediu ajuda, “enquanto em vida, fazia de conta que não o via”.
“Quantas vezes tantas pessoas fazem de conta que não veem os pobres… para eles, os pobres não existem”, refletiu o Papa.
“Abraão em pessoa oferece a chave de todo o relato: ele explica que o bem e o mal foram distribuídos para compensar a injustiça terrena, e a porta que separava em vida o rico do pobre se transformou em um grande abismo”.
“Quando Lázaro estava diante de sua casa – prosseguiu –, havia possibilidade de salvação para o rico, mas agora que estão mortos, a situação é irreparável”.
O Pontífice advertiu que “a misericórdia de Deus por nós está ligada à nossa misericórdia em relação aos outros. Quando falta esta, também ela não encontra espaço em nosso coração fechado, não pode entrar”.
“Se não abro a porta do meu coração ao pobre, esta permanece fechada inclusive para Deus, e isso é terrível”.
O Santo Padre concluiu sua Catequese dizendo que “nenhum mensageiro e nenhuma mensagem podem substituir os pobres que encontramos no caminho, porque neles está Jesus que vem ao nosso encontro”.



b) Divulgados lema e logotipo da viagem do Papa à Armênia


Cidade do Vaticano (RV) – O lema “Visita ao primeiro país cristão” e o logotipo da viagem apostólica que o Papa Francisco realizará de 24 a 26 de junho à República da Armênia, foram divulgados no dia 19 de maio.
A conversão da Armênia, de fato, remonta ao ano 301, graças a São Gregório “o Iluminador”.
A nação portanto – como disse o Papa Francisco - pode ser definida como “a primeira entre as nações que no decorrer dos séculos abraçaram o Evangelho de Cristo” (Mensagem aos Armênios, 12 de abril de 2015).

O logotipo
O logotipo da viagem, em formato circular, retrata o Monte Ararat, símbolo da Armênia, e o “Khor Virap” de Artashad (“poço profundo”) no qual São Gregório ficou aprisionado por quase 14 anos, e onde hoje está o Mosteiro homônimo. Uma vez libertado, São Gregório, que tornou-se o primeiro primaz da Armênia, declarou junto ao Rei Tirdate III, o cristianismo como religião de Estado da Armênio. No logotipo são representados os brasões e as cores – vileta e amarelo – da Igreja Apostólica e da Santa Sé.
http://www.news.va/pt/news/divulgados-lema-e-logotipo-da-viagem-apostolica-a

c) Papa - Angelus: Deus é família aberta, não devemos nos fechar


Cidade do Vaticano (RV) – A dimensão trinitária nos “ensina que Deus é uma ‘família’ de três pessoas que se amam tanto de modo a formar uma só coisa. Esta ‘família divina’ não é fechada em si mesma, mas é aberta, comunica-se na criação e na história e entrou no mundo dos homens para chamar todos a fazerem parte”: foi o que disse o Papa Francisco neste domingo, antes do Angelus com os fiéis e peregrinos reunidos na Praça São Pedro. Na sua reflexão antes da oração mariana, o Santo Padre falou do mistério trinitário, mistério da fé cristã, na Solenidade da Santíssima Trindade.



Jornal Online “A Voz de Lourdes” – Junho de 2016
Compilação e Edição: Sérgio Bonadiman - Revisão e Publicação: Dermeval Neves
Responsabilidade: PASCOM Paróquia Nossa Senhora de Lourdes - Vila Hamburguesa - SP
Site da Paróquiahttp://www.pnslourdes.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário