sexta-feira, 2 de maio de 2014

O TRABALHO DIGNIFICA O HOMEM

No dia 1º de maio celebramos São José Operário, festa instituída em 1955 pelo Papa Pio XII. Com essa festa, a Igreja Católica quis oferecer ao trabalhador cristão um modelo e um protetor.

Sabemos que o mundo moderno revalorizou profundamente o trabalho humano. O trabalho passou a ser a principal atividade do homem e da mulher. Ele se tornou a mediação dinâmica pela qual a pessoa se liga ao mundo. Estabeleceu-se assim um intercâmbio criador e criativo do trabalho com o próprio trabalhador ou trabalhadora. Mediante o trabalho, o homem vai deixando sua marca no mundo. É através do trabalho que a pessoa humana toma consciência do seu próprio poder, sua grandeza e ação criativa. Foi a partir do trabalho socialmente organizado que os operários passaram a tomar consciência de sua dignidade. A solidariedade uniu os companheiros de profissão.

O trabalho dignifica o homem. A prova de que não há uma concepção negativa do trabalho é que o próprio Deus é apresentado como trabalhador na obra da criação: “E Deus viu tudo o que havia feito, e tudo era muito bom”(Gn 1,31). A própria cena da criação já destaca a importância do trabalho como missão fundamental do homem: “Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a”(Gn 1,28). A atividade humana é um prolongamento da obra do Criador. Cabe ao homem acabar aquilo que Deus lhe entregou em pleno processo criativo. Porém, essa grandeza do trabalho está unida à sua miséria. O drama do pecado revela as penas relacionadas com o trabalho: as lutas contra a natureza rebelde que faz florescer cardos e espinhos.

A pregação de Jesus, através das parábolas, revela um claro conhecimento dos trabalhos de sua época, que são apresentados como mensagens do reino de Deus. Os próprios pregadores do Evangelho, em seu trabalho, se comparam com agricultores, com pescadores....”A colheita é grande, mas poucos os operários” (Mt 9,37). “Doravante serás pescador de homens”(Lc 5,10).

São Paulo também se apresenta como fabricante de tendas, trabalhando com suas próprias mãos para se sustentar (At 18,3). O ensinamento dele sobre o trabalho é direto: ”Quem não quiser trabalhar, também não deve comer”( 1 Ts 3,10).

O trabalho dignifica o homem, brota do seu interior como uma vocação e não como um peso inevitável que se deve suportar diariamente. A luta pela justiça é nobre, humana e absolutamente necessária. Contudo, o desemprego constitui hoje um dos males mais graves das sociedades subdesenvolvidas. O desemprego gera miséria, fome, violência, desamor. Não há dúvidas que as economias modernas tendem a um constante e acelerado aumento da produção. Mas, cabe ao pensamento cristão colocar acima de tudo a dignidade do trabalhador, seu direito às férias, adequado descanso, saúde e justo salário.

Concluo esta pequena reflexão assim: o trabalho torna o homem mais homem e, portanto, mais imagem de Deus. Trabalhar é esforçar-se por construir uma vida mais desenvolvida, mais sintonizada com o plano de Deus. O cristão deve também aceitar a parcela da cruz que todo trabalho apresenta como identificação com o próprio Mestre Jesus.

Sérgio Bonadiman

Jornal Online “A Voz de Lourdes” – Maio 2014
Compilação e Edição: Sérgio Bonadiman - Revisão e Publicação: Dermeval Neves
Responsabilidade: PASCOM Paróquia Nossa Senhora de Lourdes - Vila Hamburguesa - SP
Site da Paróquia: http://www.pnslourdes.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário