terça-feira, 8 de setembro de 2015

CATEQUESE: BÍBLIA E CATEQUESE


A linguagem humana da Bíblia “Na oração falamos com Deus; na boa leitura é Deus que nos fala” (São Jerônimo)

A Bíblia abrange um período histórico de 1000 a.C. a 100 d.C. e representa uma preciosa fonte literária para a história da humanidade. Fazendo jus à sua etimologia (do grego Biblion), a Bíblia constitui uma autêntica biblioteca, contendo uma coleção de livros bastante diversificada em relação à forma (extensão, vocabulário, estilo) e conteúdo. A Bíblia apresenta relatos em prosa, códigos legislativos, provérbios e máximas morais, cartas, poesia lírica e dramática, profecias, liturgia, folclore, lendas. Traz inclusive imperfeições, lacunas deficiências científicas, filosóficas e religiosas que poderiam até nos escandalizar.

Percebemos até divergências na transmissão das próprias palavras de Jesus o que torna difícil, mas não impossível conciliar tantas diferenças e disparidades. A Bíblia é a Palavra de Deus escrita com mão humana. Deus ao se revelar na história respeitou a liberdade e a linguagem humana tão pobre e tão precária. É bonito perceber que a Palavra de Deus assumiu uma roupagem humana (linguagem), mesmo com suas deficiências, do mesmo modo como Cristo assumiu a sua natureza humana.

A constituição do Vaticano II, sobre a Palavra Deus (Dei Verbum), aproxima o mistério da Bíblia ao mistério do Verbo encarnado: “as palavras de Deus, expressas em línguas humanas, tornaram-se intimamente semelhantes à linguagem humana, como outrora o Verbo eterno do Pai, tomando a carne da fraqueza humana, se tornou semelhante aos homens” (DV 13). Ser fiel, portanto, ao mistério da Bíblia significa estar ciente de seu aspecto humano, que não foi absorvido pela Palavra de Deus, mas foi assumido por ela.


A Bíblia é o jornal de Deus (Frei Betto) Bíblia significa coleção de livros. Daí termos como biblioteca (depósito de livros) ou bibliografia (transcrição ou relação de livros). A rigor, é inconcebível que um aluno diplomado na universidade jamais tenha lido a Bíblia ou, pelo menos, alguns de seus livros mais famosos. Considerada uma obra inspirada por Deus, a Bíblia nutre a fé dos seguidores de duas grandes religiões: a judaica e a cristã.

Escrita em hebraico e grego ao longo de dez séculos, ela é expressão das vivências humanas e religiosas do povo hebreu. A Bíblia só pode ser bem compreendida em seu contexto histórico, assim como o leitor de um jornal antigo que noticiou a queda de um ministro só será capaz de entender a notícia se resgatar a conjuntura em que se deu o fato. 

Podemos comparar a Bíblia a um jornal, no qual Deus seria o diretor de Redação e os autores, como o profeta Isaías ou o evangelista Mateus, os editores. Não é o diretor que escreve todos os textos publicados pelo jornal. Mas é quem assegura a linha editorial que caracteriza a publicação. Nem são os editores que necessariamente redigem os textos, mas são eles que lhes dão coerência, selecionando as informações segundo prioridades e enfoques estabelecidos pela direção do jornal. )

Para aquecer a conversa (Cochichar dois a dois): existe diferença entre Bíblia e Palavra de Deus? Após a partilha e o confronto de idéias, ler o texto que se segue.

Como um jornal, a Bíblia tem um pouco de tudo: genealogias e descrições arquitetônicas, relatos de batalhas e prescrições culinárias, eventos históricos e poemas. Judeus e cristãos acreditam que, por meio dessa variedade de gêneros literários, os autores manifestam a palavra de Deus e a resposta humana a essa palavra.

A partir desse texto, descobre-se que Deus fala hoje, através dos fatos, acontecimentos e pessoas. Está em andamento uma descoberta progressiva de que a Palavra de Deus não está só na Bíblia, mas também na vida, e de que o objetivo principal da leitura da Bíblia não é interpretar a Bíblia, mas sim interpretar a vida com a ajuda da Bíblia.

A Bíblia ajuda a descobrir que a Palavra de Deus, antes de ser lida na Bíblia, já existia na vida... “A palavra de Deus não é só a Bíblia, mas a Bíblia lida na atualidade sob a ação do Espírito Santo, no seio da Igreja e à luz de toda a tradição” (Geffré).




Jornal Online “A Voz de Lourdes” – Setembro 2015
Compilação e Edição: Sérgio Bonadiman - Revisão e Publicação: Dermeval Neves
Responsabilidade: PASCOM Paróquia Nossa Senhora de Lourdes - Vila Hamburguesa - SP
Site da Paróquia: http://www.pnslourdes.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário