sexta-feira, 9 de setembro de 2016

A BÍBLIA NO SÉCULO XXI




Para os dias atuais, na pós-modernidade, a importância da Bíblia está presente no discurso religioso e teológico quando se sabe que ela é a Palavra de Deus. E, sendo uma palavra para o passado, presente e futuro  tem em si uma  lógica transcendental  viva, infalível, eterna, pois é totalmente fidedigna. É, além disto a substância ontológica que deve nortear as decisões, que sacia a fome do coração com o dom de sabedoria e inteligência e preenche as lacunas da alma de forma antropologicamente, ou seja, corpo-alma-espirito. Ela revela quem é o Deus Criador e o Verbo que encarnou, quem é Satanás o grande inimigo que nos aflige diariamente com os sete pecados capitais(as 7 cabeças da serpente no livro do apocalipse), exibe-nos o plano de Deus para a salvação dos perdidos e expõe com os dons do discernimento os erros que vão surgindo no cotidiano, nos mostra como Deus de forma incognoscível, mas onisciente, onipotente e onipresentemente nos quer livres dos  frutos dos sete pecados e de todas as imperfeições humanas.

A Bíblia para o conhecimento teológico contém uma revelação divina e dogmática. Não se trata de uma fé cega, calcada no subjetivismo, fundamentalismo, agnosticismo ateísmo. Trata-se de uma fé objetiva que pode ser analisada e explicada pela teologia especulativa em vários locus ou temas. As pessoas que abraçam a religião cristã ou a religiosidade do cristianismo não precisa aposentar a cabeça e a mente racional, hoje a Teologia  Pós-moderna trabalha com abordagens epistemológicas, sistemáticas e teórico-prática. Esta teologia atual deve continuar pensando e exercendo o seu senso crítico, analítico e argumentativo, porque a Bíblia é o livro mais traduzido, mais comprado, mais memorizado e o mais perseguido em toda a história. E, pode-se afirmar categoricamente que somente a Bíblia tem resistido dois mil anos de intenso escrutínio pelos seus críticos, não apenas sobrevivendo aos ataques, mas prosperando e tendo a sua credibilidade fortalecida por tais críticas.

A fé presente nas religiões e na religiosidade popular é uma virtude teologal e juntamente com a teologia histórica desde a idade média faz-nos o trabalho investigativo com  método científico desmitificando e dogmático sem fideísmo, fundamentalismo, racionalismo, cientificismo, criticismo. Mas, é com fé, embora esta transcenda a razão  por  não ser irracional e porque  faz sentido missionário na vida do povo de Deus batizado, que é sacerdote-profeta-rei, já que esta é a Natureza e a Missão da Teologia por ser o homem um ser ontológico, antropológico e sociológico.

Entramos na pós-modernidade e muito comum foi assistir debates sobre a Fé Cristã e o pensamento evolucionista, matéria até hoje importante para o ensino no Brasil a nível de ensino médio e até pesquisadores. Mesmo Teólogos Cristãos fazendo aproximações teológico-pastorais a este tema desafiador ou a nível acadêmico fazendo diálogo entre teologia e biologia no que diz respeito ao criacionismo e ao evolucionismo. Mas sobretudo a Teologia e as Ciências das Religiões devem estar a caminho da maioridade acadêmica no Brasil do século XXI. Vale lembrar que o cristianismo e a ciência deve estar focada na Teologia da Natureza ou quando se foca na temática da Teologia da Criação, as Ciências e a Tecnologia terá por mérito abraçar o diálogo, ou seja, a Teologia (fé, revelação, dogma, filosofia da religião) e as Ciências Naturais nos ajudará bem mais focar no argumento dissertativo sobre a Misericórdia quando for desenvolvendo o tema com fundamento nas parábolas (Teologia Bíblica), nos santos (Teologia Mística), nos Padres da Igreja (Teologia Patrística), nos Papas (Teologia Pastoral), etc....

Existem pessoas que afirmam não crer na Bíblia judaica-cristã,  porque ela foi escrita por homens e por dar à ela uma marca linguística e cultural antiga, ou ,por ter muito conhecimento mítico e por usar muitas figuras de linguagens textuais. A Bíblia foi de fato escrita por homens, e o próprio apóstolo Pedro não negou isso ao escrever: “Antes de mais nada, saibam que nenhuma profecia da Escritura provém de interpretação pessoal, pois jamais a profecia teve origem na vontade humana, mas homens falaram da parte de Deus, impelidos pelo Espírito Santo” (II Pedro 1.20, 21)                                  .

Conclui-se que a Bíblia é o único livro no mundo que oferece provas objetivas de ser a Palavra de Deus. Somente a Bíblia fornece provas reais de ser divinamente inspirada. Ela é a única Escritura sagrada que oferece salvação eterna como um Dom totalmente gratuito da graça e da misericórdia de Deus. Logo, esta contem os mais elevados padrões morais dentre todos os livros e antropólogos e arqueólogos afirmam que somente a Bíblia apresenta o mais realístico ponto de vista sobre a natureza humana, por esta  ter o poder de convencer as pessoas de seus pecados e a habilidade de transformar a natureza humana. E, por se tratar de um livro de extrema importância, é preciso, ao mesmo tempo, interpretá-lo de acordo com as regras da hermenêutica, a ciência que estuda a interpretação de textos.

Prof. Adilson L. P. Oliveira

Sagrada Escritura
Lectio Divina - A melhor maneira de ler a Bíblia

Estudo da Bíblia - Entendendo o Livro Sagrado.


Jornal Online “A Voz de Lourdes” – Setembro de 2016Compilação e Edição: Sérgio Bonadiman - Revisão e Publicação: Dermeval NevesResponsabilidade: PASCOM Paróquia Nossa Senhora de Lourdes - Vila Hamburguesa - SPSite da Paróquiahttp://www.pnslourdes.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário